04/04/2022 às 16:10, Atualizado em 04/04/2022 às 16:16

Com reabertura de frigorífico, Batayporã vislumbra criação de 600 empregos diretos nos próximos dois meses

Estado e município assinaram termo de acordo para funcionamento nesta segunda-feira; investimento privado gira em torno de R$ 15 milhões

Cb image default
Termo de acordo foi assinado pelos gestores e testemunhas. Foto: Prefeitura de Batayporã

O prefeito de Batayporã, Germino Roz, e o governador de Mato Grosso do Sul, assinaram nesta segunda-feira (4) o termo de acordo para reabertura de frigorífico local de abate de bovinos pelo grupo Zanchetta Foods. O ato aconteceu durante solenidade em frente ao Paço Municipal.

O representante da empresa, José Carlos Zanchetta, afirmou em entrevista que a previsão é de que as operações comecem em dois meses, com a contratação de pelo menos 600 funcionários. O investimento na unidade gira em torno dos R$ 15 milhões.

“Na verdade, esse número é sempre maior, porque precisamos pensar em toda uma cadeia produtiva, e não apenas nas contratações diretas. Temos os produtores, os transportadores, os transportadores dos produtos e toda uma rede de comercialização. Então, indiretamente, serão gerados mais postos de trabalho”, analisou o empresário.

Para o prefeito Germino Roz, a reabertura vem de encontro a uma expectativa antiga da população. “Nós sempre lutamos por esse acordo. Busquei apoio do Estado e de lideranças antes mesmo de estar prefeito e hoje vemos o resultado do compromisso com Batayporã. Agradeço ao incentivo do governador Reinaldo Azambuja, que se dedicou nas tratativas e tem tido uma visão sensível à geração de empregos em todo Mato Grosso do Sul”, disse.

Conforme explicou o governador, a articulação foi iniciada há cerca de três anos, em um evento voltado aos produtores dos setores aviário e suíno. “Foi ali que começamos a conversar. O grupo Zanchetta é uma empresa séria e consolidada. Nós acreditamos em Batayporã e cremos que emprego traz dignidade. É por isso que o Estado tem priorizado incentivar os municípios trocando impostos por empregos”, reiterou Azambuja.